CONECTANDO OS PONTOS DE NOSSA EVOLUÇÃO

Tenho refletido muito em meus momentos comigo mesmo sobre fechar ciclos. Em uma dessas reflexões nasceu uma linha de estudo que ser neste ano um dos pontos que propagarei pelo mundo. Chamo essa linha de “Conectar os pontos”. Mergulhando nas duas obras de Yuval Noah Harari, respectivamente Sapiens e Home Deus, não consegui passar por elas sem muito pensar em como estamos conduzindo nossas vidas.

Somos fruto e não tenho duvida disso da maravilhosa e incrível arte do acaso. Como Seres humanos, vencemos quase tudo que podia dar errado e enfim, fomos a espécie que home domina e coloca a reboque nosso planeta e os demais seres vivos que coexistem conosco.

Antropologia sempre foi uma das áreas que amava na universidade. Por vezes lia muito mais do que o indicado. Adorava entender o relacionamento humano e sua relação no ambiente em que vivemos. Esse homem que evoluiu e ficou ereto aprendeu que sua capacidade de comunicação organizava sua vida cotidiana e propiciava novas formas de viver ampliando seu relacionamento com outros grupos.

Tal capacidade de comunicação evoluiu. Chegou longe, transformou-se em língua, escrita e passou a ser determinante século após século para gerar e armazenar conhecimento.

APENAS O EMPREENDEDORISMO IRÁ SALVAR A EXISTÊNCIA DO HOMEM NO MUNDO

Quanta evolução a capacidade de comunicação nos propiciou como espécie. Até parece que ao se analisar em primeira instancia, poderia ser atribuído a ela nosso sucesso evolucionário. Sinto em dizer, mas não foi. Conectar os pontos foi o ponto da virada! Quando tais grupos humanos lá nos primórdios entenderam que conectar outras pessoas de grupos diferentes era fundamental para organizar redes que coexistiriam e não mais guerreavam nasceu o principio da colaboração.

Nossa espécie, entendeu que somar não é apenas multiplicar descendentes mais sim contar com outros da mesma espécie que tem valores e propósitos similares aos nossos.

Em minhas reflexões sobre “conectar os pontos”, como caindo uma ficha em minha mente pensei verdadeiramente como estamos mal articulados na solução dos males mundiais. Sempre digo que “Apenas o Empreendedorismo irá Salvar a Existência do Homem no Mundo”, então por que não saímos da nossa passividade em criar negócios que apenas geram lucro e realmente passamos a “conectar os pontos” com outros que pensam como nos e desta forma transformamos a realidade como um todo? Vejam não tenho respostas para tudo, não tenho mesmo.

O que para mim tem ficado dia após dia mais evidente é que boa parte dos sistemas que existem de articulação hoje no mundo pouco são capazes de gerar o que mais o mundo precisa, soluções.

O SURGIMENTO DE ECOSSISTEMAS DE INOVAÇÃO É UMA ESPERANÇA DE RENOVAÇÃO

Vejo alguns ecossistemas de startups surgindo Brasil a fora e renasce em mim a esperança de ver um movimento que realmente solucione problemas em atuação. Nosso maior desafio como humanidade não será criar ou gerar soluções será a nossa capacidade de conexão. Neste momento de mundo, tudo está a um click.

Percebo que as vezes parece que falta muito pouco para que realmente tenhamos um tsunami de soluções e transformações aconteçam. Vejo isso acontecendo, mas ainda não é na velocidade que precisamos. Que sejam os empreendedores os portadores desta transformação. Que a conexão entre as pessoas do bem possam prevalecer mais que as Fake News. Podemos sim transformar problemas em soluções, do plástico no mar a Brumadinho destruída pela ganancia. Apenas, não podemos mais esperar.

Nosso desafio? Propagar ao mundo que apenas “conectando os pontos”, poderemos ter a articulação necessária para transformar tudo e todos. Precisamos relembrar que foi a capacidade de criar redes que nos trouxe como espécie até aqui. Será ela novamente que nos levara a um mundo possível para a próxima geração.

Sobre o autor,

Benício Filho.

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela UNIFESP em Neurologia Oftalmológica na área de Empreendedorismo e pós graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, Sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal), atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio), além de participar de programas de aceleração como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros. Palestrando desde 2016 sobre temas como Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência, já esteve presente em mais de 300 eventos (número atualizado em dezembro de 2019). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul) bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.

Share This