OS ERROS MAIS COMUNS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

Como tem sido interessante estudar os diversos segmentos de negócios no Brasil para internacionalização de empresas para o mundo através de Portugal. Qual empresário no Brasil não tem o sonho de ter um negócio que ofereça seus produtos ou serviços no mundo?

Acredito que todo empresário que tenha construído uma empresa tenha este sonho, sobre isso inclusive, dias atrás, escrevi  um artigo falando sobre como transformar a sua organização em uma multinacional.

Uma das empresas que analisei nestas últimas semanas foi uma ligada ao segmento de bebidas destiladas, estas bebidas têm inclusive um nome em Portugal muito interessante chamado de bebidas espirituosas.

Caso queira conhecer mais sobre este segmento clique aqui para ter conhecimento da associação que representa o setor em Portugal.

Gostaria de compartilhar com você algumas dicas importantes sobre os principais erros que empresários cometem ao tentar a internacionalização de empresas. Neste estudo que fizemos deste segmento de bebidas, foi muito sensível entender o que é visão de negócio e o que é apenas paixão do empreendedor.

Em especial neste caso, os empreendedores que estão à frente deste projeto, além de estarem com os dois pés no chão, têm a visão clara de que empreender em outro país deve estar alinhado com seu projeto de vida. Lição de casa que eles já fizeram.

Vou aprofundar com você estes erros e mostrar como superá-los, mas antes de continuar a leitura, você já combinou com sua família este projeto de vida para Portugal?

SEU PRODUTO OU SERVIÇO FAZ MESMO SENTIDO FORA DO BRASIL?

O primeiro passo (logo depois de tudo estar combinado com sua família) é que seja entendido e analisado sem paixão se seu produto ou serviço faz mesmo sentido fora do Brasil.

Esta análise é muito importante, pois, o mais comum em nossa experiência é que o empresário brasileiro, quando inicia um processo de internacionalização de empresas, acredite puramente que seu produto será interessante para Portugal.

Lembro de um caso em que o dono de uma rede de fast food no Brasil que tinha como parâmetro claro quanto a cobrança do seu produto a referência de preço que ele praticava no Brasil. Os nove reais cobrados no Brasil seriam replicados para Portugal apenas trocando a moeda para nove euros.

Parece loucura a frase acima, mas ela é muito mais comum do que você possa imaginar. A criação de preço de um produto em outro país é uma jornada enorme de entender a aderência, validar aceitação, cadeia de custos e enfim formação de preço.

Porém, começar pelo preço é matar toda a cadeia de entendimento do produto fora do Brasil e a questão ainda permanece na mesa, seu produto faz mesmo sentido lá fora?

Entre os erros mais comuns, esse é um dos primeiros, mas longe de ser o último. Validar o seu produto ou serviço é inicialmente uma oportunidade única de não desperdiçar investimento financeiro e tempo.

Sobre este ponto o artigo “Empreender em Portugal não basta ter produto ou serviço” pode ajudá-lo bastante.

Leia também: O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR EM PORTUGAL APÓS A PANDEMIA

PORTUGAL É A PORTA DE ENTRADA PARA A EUROPA, MAS NÃO DEVE SER SEU ÚNICO MERCADO DE CLIENTES

Vamos imaginar que a sequência lógica foi este empresário ter validado que o produto dele faz mesmo sentido em Portugal. Se não existissem os demais países da Europa ele apenas em Portugal já faria sentido e daria o retorno financeiro esperado?

A resposta mais percebida em nossos estudos é que não. Com seus menos de 11 milhões de habitantes, Portugal está longe de ser o mercado que muitos empresários brasileiros desejam e precisam para suas empresas.

A compreensão de ser Portugal porta de entrada para a Europa traz à tona a visão em relação a um planejamento de expansão para outros mercados. Expandir para a Espanha, ir para a África através de Portugal, prospectar a América do Norte ou ainda vender para o Brasil de Portugal, podem todos serem um caminho possível.

Como definir estrategicamente qual a melhor opção de internacionalização de empresas? Planejando. Sempre dizemos que o primeiro passo é consolidar uma operação em Portugal. Fazer dela porto seguro para os demais passos e expansão, focando quando definido nos países com aderência cultural.

Espanha é um exemplo, mas fique claro que antes de saber se será pela Espanha esta expansão é necessário entender de qual produto ou serviço estamos falando.

Em relação a Portugal ser porta de entrada para muitos mercados, fica aqui a dica de leitura do artigo “Portugal como porta de entrada para a Europa”.

INOVAÇÃO DEVE SER LEVADA A SÉRIO NESTE PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

Outro erro muito comum entre os empresários brasileiros quando começam um processo de internacionalização de empresas, é não levar a sério o quanto seu produto ou serviço está realmente alinhando com o que já existe de inovação em Portugal.

Não estou falando de aderência de mercado, mas sim de processos, relações de sustentabilidade da cadeia, proposta de valor, jornada do cliente ou ainda uma visão estruturada de como as pessoas se relacionam com o que você está pretendendo ofertar em Portugal.

Estar em sintonia com o que já existe em Portugal e criar algo realmente inovador faz total diferença no sucesso deste empreendimento. Imaginar que apenas o ineditismo de um produto já é por si só garantia de sucesso é um erro comum.

Sugiro a leitura de dois artigos primeiro e para você entender as diferenças culturais e a partir destas diferenças criar inovação e aproximação.

Leia: Diferenças culturais que o brasileiro deve saber para empreender em Portugal

O outro ponto é mesmo ver como não levar inovação a sério pode custar milhões. E para isso utilizo um caso de insucesso no Brasil.

Leia: O que a saída das empresas de patinetes do mercado brasileiro tem a nos ensinar sobre internacionalização

VOCÊ ESTÁ FAZENDO O CÁLCULO FINANCEIRO CORRETO DESTE PROJETO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS?

Sempre que pensamos em um processo de internacionalização de empresas estamos falando de investimentos. Se você se mudar para Portugal, precisa ter condições financeiras de se manter até que sua empresa esteja com condições de manter sua vida.

Porém, você está considerando a diferença de câmbio? Nossa moeda está muito desvalorizada em relação ao euro. A conta aqui é alta mesmo falando de seus custos pessoais. Você fez a conta correta?

Imaginar conseguir investimento em sua empresa em Portugal sem que ela esteja operacional, instalada e faturando é ilusão. Quem disser a você que consegue aprovar financiamento sem que você esteja com sua empresa faturando não deve ser levado a sério. Desconfie.

A clareza do seu planejamento e o olhar sem paixão para ele cria de forma pragmática uma visão deste negócio em Portugal.

Atuamos há mais de seis anos em Portugal internacionalizando empresas. Podemos ajudá-lo com programas de análise de mercado, consultoria em internacionalização e com todo nosso time com mais de dez profissionais em Portugal e no Brasil.

Não faça da construção de um sonho um imenso prejuízo e transtorno. Crie uma forte base de conhecimento para que seu projeto seja vencedor.

Se quiser conversar comigo, terei o maior prazer em ajudá-lo neste processo para Portugal.

SOBRE O AUTOR

Benício Filho

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco.

Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio-fundador da Agência Incandescente, sócio-fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal).

Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros.

Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.