GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA

Enquanto brasileiros adoramos depositar nossos sonhos e desejos em líderes que corresponderam a tudo e realizaram a mudança no país que desejamos sempre .

Tenho pouco mais de quarenta anos e posso afirmar que já presenciei grandes movimentos nacionais nos quais invariavelmente nossa nação estava em busca de um messias.

Bem, eles da forma que imaginamos e desejamos simplesmente não existem. Apenas fechando este ponto para entrarmos no tema do texto, os messias que levamos ao poder são, na verdade, o que chamamos na teologia de falsos profetas.

Deturpam a realidade ofuscando a verdade. Mas será que é possível construirmos mudanças sem termos um messias à frente do que realmente precisamos mudar?

MINHA EXPERIÊNCIA COM A GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA

Eu tinha pouco mais de vinte anos e morava na cidade mais violenta do Brasil naqueles tempos. Diadema, no ABC paulista, ostentou durante bons anos o título de lugar mais violento do mundo.

Matava-se por tudo. Drogas, roubos, brigas, enfim tudo levava a óbito jovens pobres em sua maioria negros.

Uma escola em uma das zonas de maior violência, tinha em sua direção uma mulher que sabia o que era liderar em uma guerra.

Na escola, logo que chegou, convocou os pais para fazerem parte de um conselho. Bem, até aqui nada de novo, afinal, as Associações de Pais e Mestres são mais antigas do que minha existência.

Mas o que realmente ela inovou foi em sua gestão democrática da escola. Os alunos eram convidados a participar e como havia acabado de chegar à escola, muitos pais, mesmo que por curiosidade começaram a ir aos encontros.

As reuniões eram quinzenais e ocorriam inicialmente em salas de aula, mas logo pelo número de participantes foi necessário utilizar a quadra.

Leia também: A PRECARIZAÇÃO DO ENSINO NO PAÍS

A CADA PASSO DADO, UMA NOVA MUDANÇA ACONTECE

Claro que nossa diretora poderia ter ficado em seu bunker administrativo burocrático e não se importar com a realidade. Burocratas são os seres mais existentes em nossas instituições.

Mas ela queria mesmo mudar a realidade daquele local. Logo que chegou, convocou os professores e expôs seus planos. Mesmo tendo muitas pressões negativas, foi perseverante e em menos de um mês a frente da escola iniciou os encontros com os pais e alunos.

Destes encontros, nasceram as iniciativas que reformariam a estrutura da escola, mudariam o acesso dos alunos à escola visto que ela já no segundo mês nunca mais fechou, ficando aberta de domingo a domingo.

Seu envolvimento com a comunidade foi bem além dos alunos. Igrejas próximas, associações, comerciais e a secretaria de ensino endossavam suas ações e ajudavam naquilo que era possível.

Os pais, tornaram-se propagadores dos aprendizados e experiências. Em pouco mais de dois anos, essa escola da periferia de Diadema detinha as melhores notas de avaliação da região.

Seus alunos tinham orgulho e não aceitavam que alguém degradasse sua estrutura ou mesmo falassem algo ruim.

Professores começaram a entender que ensinar não está ligado apenas ao conteúdo obrigatório, mas sim a formação de carácter a partir da experiência e do exemplo.

Em uma gestão democrática da escola, teoria apenas fundamenta, mas a transformação acontece no envolvimento pessoal do líder depois da sua capacidade de agregar e direcionar para os propósitos estabelecidos. 

AUTOR:

BENÍCIO FILHO

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco.

Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio fundador da Agência Incandescente, sócio fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal).

Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros.

Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.

Share This