LIÇÕES DE QUEM MUDOU A VIDA E SAIU VELEJANDO PELO MUNDO

Velejando pelo mundo… Eu sou um velejador da vida. É estranho pensar assim sobre nossa existência? Que nada! Somos apegados a quase tudo que não vale a pena. Quando em um momento de ruptura, quero dizer algo grave em nossa vida acontece, nos questionamos o que de fato estamos fazendo por aqui. Por que passar uma vida inteira dizendo que está esperando algo acontecer para então viver o que de fato gostaria? Como ver os anos passar pelos seus olhos e não perceber o que realmente vale a pena na vida? Dias atrás, uma amiga questionou o namorado dela em minha frente, ela queria saber por que ainda estavam vivendo separadamente, já que o que mais desejavam era viver juntos. Ela sem saber o motivo, apenas atribuía isso a falta de coragem dele. Não se iluda, poucos têm mesmo a coragem de viver o que acreditam ser a sua verdade. Sou feliz por conhecer em minha jornada na terra, seres humanos que assim como eu vivem o que são. Há alguns dias, em um momento muito especial estive conversando com Heloisa Schurmann e Inês Saldanha. Família Schurmann a pouco mais de trinta anos iniciou em um veleiro com o objetivo de dar a volta ao mundo com todos a bordo. Durante o mês de setembro de 2020, Inês Saldanha e a família dela começaram essa jornada por Portugal, velejando pelo mundo. Quanto aprendizado podemos levar para a vida destas duas incríveis histórias? A bordo de um veleiro, tudo que faz sentido na vida das duas famílias, o objetivo era navegar com eles pelas ondas do mar. Ondas que representam bem as oscilações que temos dia a dia em nossa vida. Convido você a assistir este incrível momento e a navegar junto comigo nos ensinamentos deste incrível bate papo.

SAIR VELEJANDO PELO MUNDO É TER CORAGEM DE VIVER A LIBERDADE

O filósofo “John Locke” certa vez disse sobre a liberdade. “A necessidade de procurar a verdadeira felicidade é o fundamento da nossa liberdade”. Quanto temos de coragem para acreditar em nossa felicidade e por ela nos libertarmos das caixas, amarras, crenças, dogmas e prisões que limitam nossa existência e nos levam a viver tudo menos o que realmente somos? Quando conversei com Heloísa e Inês a primeira pergunta que fiz as duas foi justamente o que as motivaram a iniciar essa jornada pelo mundo com as famílias delas? As respostas fazem com que haja a reflexão sobre a importância de estar presente. Heloisa traz a reflexão da coragem de viver esse projeto. A liberdade de sair com a família dela em busca de novas culturas e transformando sonhos em realidade. Inês, retrocede ao início do matrimônio dela, no qual as juras daquele amor que estava florescendo. Ela e o marido declaravam que um dia fariam com as famílias dela uma jornada velejando pelo mundo. Em comum nas duas, o sonho de velejar pelo mundo sem rotinas ou regras pré-estabelecidas. O desejo de estarem com as famílias, verem os filhos crescendo e podendo dedicar o tempo que quisessem, foram também razões fortes que levaram as duas a iniciar essa bela história. A coragem de transformar sonhos em realidade passa por colocar em prática o que desejamos e para que isso aconteça é preciso viver o presente como realidade e planejar o futuro como certeza.

A VIDA É COMO ONDAS DO MAR: PARA VIVÊ-LA É PRECISO PLANEJAMENTO

Não existe nada mais perecível que o tempo. Ao final desse artigo você será mais velho do que quando iniciou a leitura. Se e o tempo é tão perecível por que não aprendemos a dar mais valor a ele? Para velejar pelo mundo com suas famílias, muito foi o planejamento necessário. Acredite caro leitor. Sem planejamento nada teria sido possível na história dessas famílias. É interessante analisar que poucas as circunstâncias são tão imprevisíveis quando velejar. Velejar ao redor do mundo por águas turbulentas, mares calmos ou ainda tempestades que não puderam ser previstas sempre são possibilidades que estão ao redor da tripulação. Quando planejamos nossas ações em nossa vida temos uma boa chance de sermos surpreendidos, pois planejamento pressupõe ganhar experiência no que pretendemos fazer. Ninguém se lança ao mar sem saber velejar. Anos de treinamento, testes, projeções e muita, mais muita coragem e preparo físico. Se velejar pelo mundo requer planejamento, velejar pela vida requer sabedoria de viver o presente. Saiba que o presente pode estar a sua frente em um sorriso da mulher amada sem que você esteja percebendo. Leia também: REFLEXÕES DA PANDEMIA

VELEJANDO PELO MUNDO: UM BOM MARINHEIRO APENAS É PERCEBIDO EM MARES REVOLTOS

Um bom marinheiro apenas pode ser percebido em mares revoltos. Os anos de vida nos trazem mais do que idade. Para quem aprende com as experiências, a melhor faculdade que podemos fazer é o constante aprendizado com tudo que vivemos no dia a dia. Lembro de uma das experiências contadas por Heloísa, ela disse que ao chegarem em uma das inúmeras ilhas da polinésia tiveram dificuldade em se comunicar com a população local. Gestos, palavras e sentimentos disseram muito mais naquele momento do que a língua propriamente falada. Somos um só povo, uma só alma uma só espécie. Por mais diferentes que possamos parecer somos na verdade completamente iguais. O que nos faz semelhantes é sem nenhuma dúvida a capacidade que temos em nós conectamos. A conexão é sentimento. Tudo que vale a pena na vida é intangível, relativize suas posses e desapegue do que acha que pode possuir. Em um barco, cabe uma vida toda. Quinze metros para acomodar com tudo que é necessário por anos de vida para seis pessoas. Anos atrás, fiz uma jornada incrível. Caminhei por Compostela, de Oviedo na Espanha até Santiago de Compostela. Mais de 400 quilômetros a pé, o que eu levei? Só 10% do meu peso corpóreo em uma mochila. Precisamos de pouco para viver e sair velejando pelo mundo. Se o que importa é intangível, pense sempre no que você levaria em sua mochila ao longo da sua vida. Tenho certeza que também perceberá que literalmente pouca coisa importa.

AMOR, CONHECIMENTO E SABEDORIA: OS ÚNICOS LEGADOS QUE DEIXAREMOS NO MUNDO

Sair velejando pelo mundo pressupõe desapego, coragem, planejamento e humildade para beber do verdadeiro conhecimento. Na interação com as diversas culturas, Heloisa e Inês proporcionaram aos filhos uma experiência única de conhecer o que de mais belo nossa humanidade tem. Quando nos deparamos com o diferente, temos tendências a julgá-lo sempre a partir do que somos. Somos o que nossa história, família e experiências forjaram. Ir por aí velejando pelo mundo pressupõe libertar a alma e se abrir ao conhecimento do outro. Em uma pequena barca ou dentro das nossas casas, nós partilhamos as tarefas e responsabilidades. Sem isso, não conseguimos avançar pelo mar e seus desafios ou conquistar o que desejamos enquanto família Trabalho em equipe é partilhar responsabilidades, sonhos e desejos. Passamos tempo demais longe do que importa. Amar intensamente e se permitir ser amado é o melhor que podemos fazer para nós mesmos. A energia de Inês Saldanha que a poucos dias se lançou no mar com sua família, nos lembra do que realmente importa. As experiências da família Schurmann nos ensinam que para velejar pelas ondas da vida, precisamos estar juntos, reconhecer os talentos individuais e partilhar alegrias, vitórias e derrotas O mais difícil na vida não é viver. O mais difícil é compreender que apenas deixaremos no mundo marcas que nossa sabedoria tocou, as pessoas que nosso amor marcou e se realmente fomos capazes de fazer quem está ao nosso lado feliz. Que mais famílias tenham a coragem de sair velejando pelo mundo, assim ensinamos à humanidade que somos uma só tribo, uma só espécie e vivemos em um único planeta.

SOBRE O AUTOR

Benício Filho Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco. Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio-fundador da Agência Incandescente, sócio-fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal). Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros. Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.