SOUTH SUMMIT BRASIL: A TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MUNDIAL BEM PERTO DE TODOS NÓS

Assim como descrito na própria página na internet da edição do Brasil, podemos entender então que o “South Summit nasceu em 2012. Na época, a crise econômica havia enfraquecido as perspectivas de negócios na Espanha”.

Diante da falta de perspectivas, nasceu uma forte crença: que o espírito empreendedor seria a força motriz para curar a economia. Por isso, o objetivo era (e ainda é) muito claro: ser o hub de referência que molda o futuro por meio de iniciativa, empreendedorismo, inovação aberta e oportunidades.

Os números do evento no Brasil chamam a atenção por seu gigantismo.

Em Resumo:

+ 20.000 pessoas + 50 países + 40.000 contatos + 2.500 meetings com finalistas + 8.500 empresas

+ 3.300 startups + 500 investidores + $65B fundos POA + 500 speakers (50 internacionais)

30% speakers mulheres +400 média +3500 trabalhadores diretos e indiretos +2200 estudantes

Três dias intensos de muito conteúdo e networking, encontros, reencontros, negócios e muito aprendizado acontecendo, no que foi uma grande imersão em um ambiente inovador que agregou muito a todos que estiveram envolvidos.

O SOUTH SUMMIT E A REINVENÇÃO DE PORTO ALEGRE 

Crises são superadas com ideias. Há dez anos, buscando reverter o quadro de estagnação econômica e retração nos negócios que caracterizava a Espanha, a aposta no empreendedorismo e na inovação deu origem ao South Summit. 

Passada uma década, a iniciativa se tornou referência internacional. Ao desembarcar em terras brasileiras, coube a Porto Alegre a missão de sediar o evento.

Assim como no ecossistema de inovação, essa conquista se deu através do trabalho em conjunto. A conexão entre público e privado, entre o mercado e a academia, foi um diferencial para a escolha da capital gaúcha. 

O resultado dessa parceria se tornou realidade quando os armazéns do Cais Mauá ganharam vida com a chegada de milhares de profissionais, estudantes, empreendedores e investidores interessados em prospectar boas oportunidades de negócios e construir um futuro mais colaborativo e sustentável.

“Os próximos 250 anos de Porto Alegre começam agora”. A frase entusiasmada dita pelo prefeito Sebastião Melo na cerimônia de encerramento reflete a importância do evento. 

O South Summit Brasil foi realizado no momento em que o mundo se reergue após dois anos de pandemia e, coincidentemente, no início de um intenso processo de ressignificação e transformação urbana em Porto Alegre. 

O potencial do ecossistema

Ao longo de três dias, cerca de 20 mil pessoas, vindas de mais de 50 países, estiveram presentes no Cais Mauá. 

Quatrocentos e cinquenta investidores, representando fundos que gerem mais de U$ 60 bilhões, prospectaram negócios ao mesmo tempo em que 500 palestrantes – 30% deles mulheres – compartilharam conhecimento e estabeleceram conexões que possuem o potencial de se tornarem novas iniciativas na área de tecnologia e inovação. 

Não há como negar que um dos principais acertos do South Summit Brasil foi a escolha dos armazéns do Cais Mauá para sediar o evento. 

O amplo espaço à margem do Guaíba chamou a atenção de todos os participantes, sejam eles estrangeiros ou porto-alegrenses que nunca tiveram a oportunidade de se conectar com aquela parte da cidade. 

“O local é demais. Isso é importante, sabe? Há eventos que focam no ambiente corporativo, naquilo que serve para eles. Mas aqui você tem o brilho da cidade, o pôr do sol muito bonito. Isso faz a união com o fator local, o que é excelente”, destacou Tracy Mann, embaixadora do South by Southwest (SXSW), conjunto de festivais de cinema, música e tecnologia que ocorre anualmente nos Estados Unidos.

Espaços revitalizados e disponíveis ao acesso de todos como observamos em Porto Alegre que são comuns em outras partes do mundo podem também ser apostas do Brasil para revitalizar suas cidades. 

SOUTH SUMMIT CONSTRÓI PONTES PARA EMPRESAS BRASILEIRAS NO MUNDO 

Ao longo dos três dias do evento, participei de muitos painéis e palestras, mas confesso que poder me reconectar com tantos agentes do mercado foi o ponto alto deste evento. 

Foi como gosto de pensar: um momento único para retomar contatos com players do Brasil, apoiando parceiros e percebendo seus avanços.

Participei intensamente dos conteúdos estando presente em painéis, palestras e ações. Sobre elas quero destacar alguns pontos com você. 

Em um dos painéis que participei discutimos as melhores estratégias para desembarcar na Europa. Comigo esteve Diego De Aristegui do Invest Madri e Leticia Cabral da Oxentia. 

Ponto algo do painel foram as inevitáveis comparações de um processo de internacionalização partindo do Brasil para o mundo por Portugal e não pela Espanha. 

Refletimos com os participantes que, muito distante de ser apenas uma questão de tamanho do mercado, o que realmente está na mesa é a relação de menor atrito que Portugal oferece em um processo de internacionalização comparado com a Espanha. 

Em outro momento, refleti em um Workshop com o tema “Investidor Anjo: como começar a investir em startups e surfar a onda da nova economia” sobre como podemos fazer parte deste movimento de investimento que constrói e forma novas oportunidades. 

Ao longo do workshop discutimos pontos tais como a essência do investidor anjo que, efetivamente, investe em pessoas, mas que sempre está atento ao modelo de negócio das startups, levando em consideração sua equipe, problema que resolve e escalabilidade.

Investir em startup sozinho é um enorme risco, mas em conjunto tudo pode ser diferente. 

ENQUANTO EMPRESAS DE TECNOLOGIA, NÃO PODEMOS IGNORAR O QUE ACONTECE NO MUNDO

No South Summit, foi possível também perceber como, no universo da tecnologia, estamos ainda mais próximos do que imaginamos. 

Algumas soluções apresentadas por empresas do mundo todo parecem realidades possíveis de serem implementadas em nossos mercados. 

Um exemplo é o amplo uso de tecnologias na definição de produtos em um ponto físico a partir de softwares que analisam imagens em uma câmera tradicional.

Amplamente utilizado em alguns países, ainda engatinha no Brasil. 

Precisamos conhecer o que acontece no mundo, porém sei como é complicado viajar para fora do país. Oportunidades, como esta em Porto Alegre, revelam como tais eventos são importantes para todos nós. 

Desta maneira, analise, pesquise e veja quais eventos você pode participar em sua região e cidade.

Além de ser um momento oportuno para fazer networking e renovar contatos, muitas novas ideias podem inundar sua imaginação de oportunidades. 

O South Summit confirma o papel de destaque do Brasil no mundo e a importância de estarmos mais conectados a ele. 

Forte abraço e até nosso próximo conteúdo. 

Leia também: LEVANDO BRASILEIROS PARA PORTUGAL

SOBRE O AUTOR

BENÍCIO FILHO

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC SP e Filosofia pela Universidade Dom Bosco. Mestre pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação, MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios. Pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, sócio da Core Angels Atlantic (Fundo de Investimento Internacional para Startups). Sócio fundador da Agência Black Beans e sócio fundador da Atlantic Hub e do Conexão Europa Imóveis ambos em Portugal. Atua como empresário, escritor e pesquisador das áreas de empreendedorismo, mentoring, liderança, inovação e internacionalização. Em dezembro de 2019, lançou o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas”. Em dezembro de 2020 seu segundo “Do Caos ao Recomeço”, e em janeiro de 2022 o último publicado “ Metamorfose Empreendedora”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.