O HOMEM ENQUANTO ESPÉCIE E O HOMEM ENQUANTO INDIVÍDUO

Pensar o homem individualmente separando a sua história e experiência do contexto dos demais indivíduos do seu grupo, seria um ato complexo, tendo em vista o quanto estamos interconectados atualmente.

O homem enquanto espécie, desde nossa origem de trajetória está intimamente ligado às condições naturais dos locais onde ele esteve inserido. Basta um pequeno salto no tempo para relembrar que todos nós enquanto espécie temos uma raiz comum.

Desta raiz comum, muito bem documentada na obra O Processo Civilizatório, do brasileiro Darcy Ribeiro, é possível compreender a saga da espécie humana desde nossa raiz comum na África até a completa ocupação de todos os continentes e perceber com isso o quanto não é possível dissociar o olhar do indivíduo em relação a sua espécie.

Mas analisando mais de perto, não podemos deixar de nos atentar de que mesmo em nossa evolução enquanto grupo, criamos as diferenciais que de certa forma compreendem nossa própria identidade, algo que é inseparável da nossa individualidade.

Em outra obra, o americano Joseph Campbell, constrói a narrativa do Herói que ajuda a compreender nossa necessidade de viver em grupo, bem como a organização que construímos ao longo de nossa história do homem enquanto espécie.

Das tribos nômades aos nascimentos das grandes religiões, o ser humano construiu a narrativa do herói sempre como orientação para sua jornada na terra.

A ESPÉCIE HUMANA EVOLUI EM GRUPO CRIANDO IDENTIDADES PARA SEUS INDIVÍDUOS

Ao nos debruçarmos sobre a espécie humana, analisaremos sua capacidade de comunicação, interlocução e criatividade. Estes são traços naturais de nossa espécie evoluídos por milhares de anos de adaptação.

De forma igualitária, mesmo com nossas individualidades enquanto nações e grupos étnicos, continuamos guardando os mesmos traços desta espécie humana. Mesmo o mais isolado dos homens ou ainda de grupos nômades ainda existentes na África, Austrália e nas florestas do Amazonas, tais traços e comportamentos continuam iguais.

O homem enquanto espécie, tem uma origem, formação e constituição biológica que nos caracteriza como humanos. Mas enquanto indivíduos, somos seres únicos, dotados de experiências, medos, traumas e tudo mais que possamos pensar.

Leia também: IDADE MÉDIA: PODEMOS CHAMÁ-LA DE IDADE DAS TREVAS OU IDADE DAS LUZES?

HOMEM ENQUANTO ESPÉCIE: SOMOS ÚNICOS EM NOSSA INDIVIDUALIDADE

Na psicanálise, dizemos que nossa relação com família, trabalho, sociedade e religião, moldam o que somos. Nas diversas fases que percorremos desde o nosso nascimento, somos forjados e construídos enquanto pessoa humana.

Gosto muito deste termo, pessoa humana. Ele inclusive na teologia é utilizado como definição da nossa existência. Pessoa humana é segundo a teologia a individualidade do ser tendo em vista seus anseios, desejos e sonhos.

Enquanto indivíduos somos únicos, impossível de sermos copiados, mas reflexo de tudo que nos cerca e molda. Compreender o indivíduo é mergulhar em sua individualidade considerando a sua formação do homem enquanto espécie.

Imaginar um ser humano individualmente sem que seja considerada sua construção histórica mesmo aquela ligada aos seus antepassados ou raízes seria completamente errôneo, portanto, incompleto.

Somos parte de um todo enquanto espécie, mas individuais enquanto seres. Respeitar esta intrínseca relação gera o respeito necessário para compreender nossas necessidades, sofrimentos, angústias, sonhos e projetos.

SOBRE O AUTOR

Benício Filho

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco.

Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio-fundador da Agência Incandescente, sócio-fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal).

Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros.

Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.     

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.

Share This