LIDERANÇA E AÇÃO: QUARTO SINAL

Ao longo dos meus últimos anos, acompanhei milhares de pessoas inseridas nas mais diversas atividades de empresários e empresárias a vendedores de pipoca.

De jovens sonhadores a aposentados já pensando em guardar a chuteira. O que todos têm em comum? Um imenso desafio pessoal de vencer as barreiras dos planos, projetos, desejos e viver o agora.

Viver o agora não é algo simples, talvez você responda que justamente começar o dia com o sentimento de que apenas tenho que viver aquele momento seja viver o agora.

Mas eu pergunto a você, onde gostaria de estar em seu momento de vida atual? Você é o adulto que quando criança desejou?

O que você está fazendo neste momento, colabora para você atingir seus planos e projetos?

Pois bem, será justamente sobre estes pontos que acredito estarmos em um momento de mudança. A nova liderança não pode mais ter como ponto forte as intenções.

Viver de intenção é viver de frustrações. O protagonismo das ações apoia os nossos desejos que são importantes para nos motivar.

Mas serão as ações que nos levarão à prática. Elas nos concedem a chance de acertarmos e errarmos.

Os acertos nos motivam para as próximas fases. Os erros devem ser encarados como aprendizados.

Mas com os erros, temos frustrações. Esse é um dos maiores desafios que temos que superar e é sobre isso que vamos refletir agora.

A FRUSTRAÇÃO CORROMPE NOSSA AÇÃO

Antes de evoluirmos sobre a liderança e ação, quero lembrar você que este é o quarto sinal da  queda da liderança tradicional. Já percorremos o primeiro sinal, a queda do poder, o segundo sinal, o fim das regras e o terceiro sinal, o fim da obrigação.

Para compreendermos o quarto sinal, no entanto, será necessário que primeiro entendamos as raízes da frustração.

Sêneca (65 D.C. foi um filósofo estoico e um dos mais célebres advogados, escritores e intelectuais do Império Romano) acreditava que um dos motivos da raiva, e também da frustração, do desapontamento e ainda do estresse, e segundo ele de muitos outros sentimentos negativos, seria imaginarmos que tudo será sempre do jeito que queremos, que somos capazes de moldar o mundo segundo os nossos desejos.

Ficando nosso referencial na frustração, podemos dizer que ela é um sentimento de impotência quando algo que era esperado não acontece.

Ela ocorre quando uma expectativa ou desejo não é satisfeito. Sentir alguma frustração leva a um desânimo e incômodo. Eles costumam criar obstáculos para que a pessoa não realize o que gostaria.

Frustração é um estado emocional que acompanha a interrupção de um comportamento motivado, ou seja, é um estado psíquico que resulta do bloqueio da motivação provocada por qualquer barreira que impede de alcançar um projeto ou objetivo esperado.

As fontes da frustração podem ser internas ou externas. As fontes internas da frustração envolvem deficiências pessoais, como falta de confiança ou medo de situações sociais que impedem uma pessoa de alcançar uma meta. Causas externas da frustração, por outro lado, envolvem condições fora do controle da pessoa, tais como uma estrada bloqueada ou falta de dinheiro, por exemplo.

Na psicanálise o comportamento passivo-agressivo é um método de lidar com a frustração. Quando esta não funciona, outra “solução” comumente adotada é uma “regressão” (inconsciente, consciente ou simulacra) a um comportamento infantil e mimado, geralmente visando comover ou sensibilizar terceiros por algum tipo de apelação emocional.

Acredito que fomos até longe demais para compreender a frustração. Mas faz todo sentido visto que um dos desafios que temos atualmente é lidar com uma geração que não aprendeu a se frustrar.

No artigo Geração do Trauma levo a você alguns apontamentos sobre este momento do mundo que como comentei é formado em sua grande maioria por pessoas que não sabem o que é frustração.

Mas se seu desejo for aprofundar ainda mais o tema, recomendo um livro que escrevi durante a pandemia. Do Caos ao Recomeço, levará você a refletir, aprofundar e a se questionar sobre sua vida, o mundo e o que estamos fazendo aqui.

Novamente, retomando nossa jornada em busca de entender o quarto sinal, tenho certeza de que ficou evidente para você que errar é parte do processo da liderança e ação.

Desta maneira a frustração fará parte da nossa vida. Se para você a frustração congela suas ações, busque ajuda, saiba que não está sozinho.

A LIDERANÇA RESSIGNIFICADA COMPREENDE QUE A FRUSTRAÇÃO É PARTE DO PROTAGONISMO DA AÇÃO

Fomos forjados como se o sucesso fosse o único lugar em que seremos felizes. Essa é uma mentira que nos contaram.

A jornada sempre será muito mais importante do que o destino. Caminhar, viver, aprender, rir, chorar, sofrer, cair, levantar serão aprendizados que nos tornaram maiores e melhores.

A liderança ressignificada precisa estar mais atenta aos seus liderados quanto às suas ações. As ações precisam ter papel fundamental em nossas vidas.

Viver de desejos é viver frustrado. A queda da liderança tradicional não terá sentido se continuarmos em nossos esconderijos e cavernas.

Entenda, os esconderijos e cavernas não são físicos. Eles são emocionais e estão plantados dentro dos nossos corações e mentes.

Foram sendo produzidos tijolo a tijolo como se não existisse outra possibilidade, mas existe. Porém, ela não é simples de ser conquistada.

Não podemos atribuir apenas a uma geração o momento em que chegamos de cegueira diante dos valores que verdadeiramente importam na vida.

São gerações vivendo sob o domínio da força, crueldade e poder. Não é mais possível fingir que vivemos.

As intenções de mudanças devem ser enterradas como um corpo que não mais tem vida. A liderança e ação precisam ser colocadas como ponto central das nossas vidas.

Mas quais ações? Bem sobre elas, gostaria de apresentar a você um ponto de partida.

O PONTO DE PARTIDA PARA A MUDANÇA NA LIDERANÇA E AÇÃO

MERGULHE EM VOCÊ,

RESPIRE,

Você é o que desejou quando ainda pequeno pensava no que seria? Somos únicos e nossa melhor versão ninguém fará melhor.

A liderança e ação ressignificada nasce quando deixamos entrar no centro nossa verdadeira essência. Mas para isso, precisamos tirar as cicatrizes que nos cegam.

Onde devemos estar? Onde faça bem para cada um de nós. Sua presença neste mundo não é em vão. Você está aqui para ser transformador de realidades e construtor de pontes para um mundo melhor.

Não acredito em vidas que estejam como turistas no mundo. Cada um de nós tem um papel e protagonismo.

Defina o seu papel, busque sua verdade, escolha quais ações serão iniciadas para chegar a seus objetivos. Não é utopia pensar que tudo deve ser mudado. Utopia é acreditar que tudo está bom.

A nova liderança e ação deixam de ter intenções e com coragem começa a executar suas ações tendo como ponto de partida o que faz bem para mim, para o mundo e para o outro.

Logo o quinto sinal da queda da liderança completará esta série para que seja possível você não mais ser passageiro.

Desejo que até o caminho percorrido muito tenha sido respondido a você. Mas esta porta está aberta.

Mande seu comentário, interaja comigo, juntos construiremos uma nova liderança e ação.

Forte abraço. 

AUTOR:

BENÍCIO FILHO

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco.

Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio fundador da Agência Incandescente, sócio fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal).

Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros.

Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.

Share This