AMPLIANDO OS HORIZONTES COM UMA VIAGEM

Uma viagem jamais deveria ser vista apenas como um local que iremos conhecer. Uma viagem representa em diversas situações uma oportunidade única de ampliar horizontes sobre o mundo, experiência do outro e autoconhecimento.

Costumo dizer que deveríamos contar menos o número de fotos que tiramos em uma viagem e mais o número de pessoas que conhecemos. Cada ser humano é único e representa uma imensidão de conhecimento.

Já imaginou quanto conhecimento existe perto de você quando realmente está presente fazendo experiência do outro sendo este um morador de um local que pouco você conhece?

Pois bem, é neste contexto, estando fora da nossa zona de conforto que podemos interagir de forma mais liberta ouvindo mais o que nossa essência grita é despertando em muitos momentos uma nova versão de nós mesmos.

Tenho para mim, que em determinados cursos que fazemos ao longo da vida, incluem-se inclusive alguns cursos universitários, que saímos deles mais ignorantes do que entramos.

Ampliar horizontes é quando sentimos que algo em nós descolou. Lembro de algumas viagens que fiz e meu sentimento na volta era que eu estava diferente.

Quero neste artigo, colocar para você algumas das minhas experiências e, ao mesmo tempo, ajudá-lo a criar um roteiro para aproveitar com muito mais intensidade as próximas viagens que fizer.

Gostaria apenas que sempre se recordasse de uma frase: “Em uma viagem, aquele que para você é estranho, pode representar uma nova oportunidade em sua vida. Diante do novo, não julgue, não critique, apenas ouça.”

EU SEI QUE NADA SEI..

Quando o sábio filósofo grego Sócrates, disse “Só sei que nada sei”, refletia sobre sua ignorância ao partir do seu conhecimento para entender o todo.

Ele tentava compreender os dilemas a sua volta através das perguntas. Dizia ainda que o verdadeiro conhecimento está no outro. E através das perguntas, entramos no universo do outro fazendo com que pelas reflexões causadas, as respostas aos dilemas fossem sendo construídas.

Quando viajamos, estamos como descobertos. Somos apenas nós mesmos. Em uma viagem, não é muito fácil se segurar com as nossas seguranças. Lembro de uma viagem que fiz ao Peru e naquela ocasião, tive por muitos momentos medo do que poderia acontecer.

Primeiro porque eu literalmente me desafiei. Fui de uma viagem a trabalho para o alto dos Andes em Machu Picchu.

Quando em frente a cidade perdida no meio da floresta amazônica e longe de tudo, conseguia perceber que todo o conhecimento que eu tinha era apenas uma gota no oceano. Se eu realmente quisesse entender o que estava vivendo e aprender com isso, deveria me libertar.

Gosto muito de um termo utilizado na Teologia. Dizemos que “desvelamos” uma situação ou experiência quando conscientemente tiramos o véu que cobre a verdade.

Você pode ao viajar ficar sem seu bunker e não viver as experiências que estão disponíveis, mas será mesmo que vale a pena viver assim?

Entendo que, não experimentar as comidas locais, não tomar as bebidas locais, não visitar e tentar entender o porquê das histórias e dos costumes pode ser sim uma opção e veja não estou aqui dizendo que tudo deve ser feito.

Mas compreenda, quando verdadeiramente tentamos viver as possibilidades, começamos a conhecer mais quem somos.

Nossa melhor face é a face que o outro percebe, não a que gritamos ao mundo. Deixe que outros que não conhecem você, digam o que você é a partir do que está vivendo naquele momento.

A vida é um exercício de conhecimento em uma viagem, tudo pode ser possível desde que você esteja querendo viver algo.

Muitos voltam de uma viagem transformados. Acredite, uma viagem pode mudar quem você é! Bem, eu gosto disso. Gosto de ser provado e, ao mesmo tempo, me redescobrir.

Uma garrafa de vinho é uma viagem, mas imagine estar em um local de produção ouvindo a história que envolve este líquido? Abrir uma garrafa é desvelar a história de um povo, viva mais o presente mesmo estando no solo firme da sua casa.

AS VIAGENS QUE TRANSFORMAM

Tive a oportunidade de viajar pelo mundo algumas vezes. Não conheço todos os continentes, mas posso dizer que mais de trinta países eu já estive.

Alguns deles, fiquei bastante tempo. Portugal, Itália, Espanha, França, Jerusalém, Estados Unidos, México, Peru, Argentina, Chile e tantos outros foram minha morada por meses ou em diversas vezes.

Alguns destes locais acabaram se tornando refúgios e mergulhos em minha essência. Muitos dos povos que conheci inclusive viajando a todos os estados do Brasil ajudaram a construir o que sou e forjaram um novo ser à medida que eu fazia a experiência de cada um deles.

Uma bebida ou um prato me faz lembrar de uma viagem. Gosto tanto disso que penso o tempo todo em levar comigo as pessoas que amo quando for novamente pegar estrada.

Estou inclusive neste momento a escrever este texto com duas viagens marcadas. Uma delas para o Espírito Santo no Brasil. Passarei dez dias de férias com meus filhos por lá.

Depois, em setembro, embarco para Portugal. Ficarei uma boa temporada por lá. Quase três meses. Sobre este momento que estamos começando a retornar com nossas viagens, gostaria de dar algumas dicas para você aproveitar mais sua próxima estadia fora de casa.

Elenquei cinco dicas que entendo ser as mais importantes para quem deseja fazer uma nova experiência ao viajar.

Venha comigo nesta nova jornada!

DICA (1): PLANEJE SUA VIAGEM

Planeje sua próxima viagem desde o começo. Defina o local, como irá se acomodar e o que deseja fazer lá.

Experimente ficar em acomodações diferentes de hotéis. Residências e fazendas guardam incríveis oportunidades. Albergues e Hostels são ótimos opções também.

Saiba quais são os locais de seu interesse sem ser surpreendido. Muitos locais exigem que você faça reserva para conhecer ou tenha alguma preparação.

Cansei de ver gente perdendo oportunidades por chegar atrasado ou mesmo não fazer reserva. Planejar parece óbvio, mas muita gente quer viajar como se estivesse indo a casa de um conhecido.

Não subestime os desafios de uma nova cultura. Entenda como deve se comportar e crie um manual seu, mesmo que mental.

Leia também: NATUREZA, GASTRONOMIA E ESPIRITUALIDADE: ESPÍRITO SANTO, UM ESTADO A SER DESCOBERTO

DICA (2): LEVE RESERVA FINANCEIRA

Entenda qual a melhor forma de pagar pelo que irá utilizar ou comer no dia a dia. Em muitos casos, cartões não são bem-vindos.

Em muitas regiões tudo precisa ser pago em dinheiro. Na Argentina, por exemplo, quase tudo se paga em dólar ou peso.

Em outros países aplicativos dominam o cenário como na China. Não releve este ponto. Sua viagem acaba se o problema for financeiro.

Um cartão reserva internacional ou um cartão pré-pago pode ser a sua salvação em casa de perda ou roubo.

DICA (3):  FAÇA SEGURO VIAGEM

Fazer seguro-viagem para o período que estiver viajando é essencial. Eu mesmo já utilizei em diversos países hospitais.

Em uma viagem quebrei meu tornozelo andando na rua. Precisei ficar de cadeira de rodas e andar de muleta. Imagine uma situação dessas sem seguro?

Em alguns casos um incidente médico pode custar seu ganho no ano todo em outro país.

Nos EUA, por exemplo, dentistas custam uma fortuna. Esteja com seu seguro em dia por todo o período que estiver viajando. Não economize neste item.

DICA (4):  EXPERIMENTE AS COMIDAS E BEBIDAS LOCAIS

Óbvio que se você tem restrição alimentar ou é vegetariano ou vegano não deve comer de tudo. Mas mesmo com as restrições de cada um de nós, muito pode ser aproveitado.

Não crie demônios. Aproveite o máximo possível os costumes locais. Lembro das diversas formas que conheci o Bacalhau quando estive pela primeira vez em Portugal.

Eram tantas formas que até aprendi a fazer em casa. Através do alimento e da bebida, podemos fazer experiências espirituais.

Saiba da história e dos costumes presentes nos alimentos. Desfrute das especiarias locais e mergulhe na cultura do outro.

DICA (5): UM UNIVERSO DE ESPERA NO OUTRO

Somos únicos! Essa é a única certeza que tenho. Pelo menos isso eu sei que sei. Acredite, novos amigos, namoradas, cônjuges, sócios, bem tudo pode acontecer quando de fato estamos querendo fazer uma experiência do outro.

A vida é curta. Vale a pena quando estamos em uma viagem conhecer novas pessoas e a partir deste momento criar novos relacionamentos.

Como disse no começo deste artigo, volte de uma viagem cheia de novas pessoas que conheceu e não apenas com fotos.

Mais que lembranças na mente, voltar com marcas boas no coração irá transformar sua vida.

Estas não são dicas apenas para viagens de lazer. Você pode levar este roteiro para qualquer viagem que fizer.

Missões empresariais, uma viagem para prospectar negócios, podem representar uma nova porta para transformar sua vida.

Não perca mais oportunidades. Em sua próxima viagem, tudo pode acontecer.

Espero te encontrar nela com certeza! 

SOBRE O AUTOR

Benício Filho

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco.

Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio-fundador da Agência Incandescente, sócio-fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal).

Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros.

Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.

Share This