SAIBA QUE INOVAÇÃO NÃO SÃO OS PUFFS AMARELOS OU OS AMBIENTES ABERTOS E BONITOS QUE VOCÊ TEM

Anos atrás, caminhando por empresas dentro de um condomínio empresarial em São Paulo, fui abruptamente parado ao avistar uma empresa que de longe se destacava das demais. As mais de vinte que eu já havia percorrido eram mais do mesmo. Mas aquela em especial chamou minha atenção.

Ela tinha espaços abertos, grande variedade de cores em móveis, paredes e puffs. A sensação era um frescor que pelo menos no visual vendia a imagem de modernidade. Pensei na hora, ou temos aqui um bom trabalho executado, ou um arquiteto, ou temos bem mais do que isso.

Fiz questão nas visitas que eu ainda tinha, passar por eles e entender o que faziam. A empresa era de engenharia. Prestadores de serviço no segmento da construção civil, tinham encontrado naquela abordagem mais cool um ativo de “vendas” e nada além disso.

Sua estrutura organizacional não poderia ser mais concentrada tendo como o grande líder seu fundador. Os serviços prestados nada tinham de inovador, pelo contrário. Vendiam mais do mesmo com uma roupagem moderna.

Confesso que fiquei impressionado, pois, era realmente bem moderno o posicionamento deles. Minha surpresa foi descobrir que pouco mais de dois anos depois esta empresa fecharia. Bem, isso pode não ser novidade para você, mas saiba que muitos empresários e às vezes empresas inteiras acreditam que ter um espaço moderno representa algo a mais.

Inovação está muito além de transformarmos os espaços. Inovação deve ser assumir que as transformações no ser humano que estamos vendo precisam refletir nas corporações. Nasce da diversidade que hoje pode ser vivida em muitas áreas das nossas vidas a inovação que cria valor, novos produtos, novas abordagens e pode gerar uma nova onda em sua empresa.

O QUE PODEMOS APRENDER COM INOVAÇÃO ABERTA?

A maior dificuldade em trazer inovação para dentro de uma empresa existente se deve ao fato de que não gostamos de mudança. Mudar implica em criar uma forma de fazer algo ou um novo processo. Nosso cérebro luta contra nós quando queremos mudar algo.

Na zona de conforto, o nosso cérebro economiza energia e não precisa alimentar todo um sistema neural para produzir conhecimento e novos aprendizados. Se precisamos mudar e criar formas de fazer o que sempre fizemos, estaremos já no primeiro momento uma batalha interior com nosso corpo.

Quando o assunto é mudar, pouco importa suas intenções. É necessária grande força de vontade para que as ações comecem. Escrevi dias atrás um artigo sobre este tema, vale a sua leitura.

Tendo então vencido a etapa da guerra interior, acredito que uma das melhores formas de começar a viver a inovação é iniciar um processo de inovação aberta. Entenda que quando dizemos inovação aberta temos muitas vertentes de como isso é possível. Quero abordar algumas delas.

TENHA UM NOVO OLHAR PARA INOVAÇÃO

Olhar outras empresas e como elas têm resolvidos problemas parecidos com os nossos é um bom começo para iniciar este processo. Não precisamos reinventar a roda, muitas respostas já existem e basta que entendamos como elas podem ser adotadas e vivenciadas dentro da nossa empresa.

Consultorias podem ajudar, porém, acredito que primeiro é necessário entender o que você quer em relação à inovação. É um produto novo? Renovar processos? Mudar escopo de atuação? Reestruturar sua operação? Criar um departamento de inovação? Estruturar uma nova operação dentro da sua empresa? Compreender melhor seu cliente?

Veja, temos uma miríade de possibilidades. O que você quer de fato? O que é inovação dentro da sua visão e linha de atuação. As perguntas precisam ser feitas e as respostas podem doer muito, mas são elas que trazem à tona o que é importante em sua área de inovação.

Você não precisa ter uma área exclusiva de inovação, mas sim ter uma empresa inovadora. São coisas muito diferentes. Uma área de inovação pensa inovação para um fim específico, tendo em muitos casos dificuldade em propagá-la por toda a empresa.

Uma empresa inovadora pode criar movimentos exponenciais gerando desta maneira grandes possibilidades e retornos. Gosto de pensar que nossa visão externa traz uma abertura de mente importante para quem está à frente da empresa. Porém, pessoas de fora, podem nos ajudar imensamente em nossa visão mais inovadora.

Compartilho aqui o link com um artigo sobre inovação bem interessante.

COMPREENDER O SER HUMANO É O MAIOR DESAFIO EM CRIAR INOVAÇÃO

Máquinas não inovam, processos podem ser inovadores, mas eles também não inovam, quem inova são pessoas. Os seres humanos nascem com criatividade. Nossa capacidade em inovar foi aos poucos sendo afugentada ou em muitos casos morta, mesmo justamente pelo medo que temos do novo.

Tememos o novo, afinal como vimos ele causa desconforto. Mas quando criança não tínhamos medo do novo. Por que, afinal, quando somos adultos nós temos medo de inovar?

Quero compartilhar com você uma breve história, mas antes vale a pena você ler um artigo sobre nosso medo em relação ao novo.

Dias atrás, estava eu na casa de um amigo. Sou pai de dois meninos, e sempre estimulamos em casa os dois a acreditarem que podem fazer diferente o que parece um processo mecânico. Meu filho mais velho tem quatorze anos. Se você entrar em minhas redes sociais verá que uma parte das minhas postagens segue uma linha artística. Todas as artes são criações do meu filho mais velho. Ou seja, acredito que incentivar meus filhos a serem criativos tem dado certo.

Este meu amigo, pai de uma menina de 7 anos, assistia à pequena a desenhar uma bela árvore. Quando ela enfim havia acabado o desenho e começava a colorir, seu pai de forma autoritária disse a ela. “Por que você está pintando o caule da árvore de vermelho??? Caules são marrons!!”.

Tomei um susto! E disse a ele, amigo, na natureza a biodiversidade leva a uma multiplicação de variáveis. Existem árvores com todas as cores de caules. Por que ela deveria pintar de marrom? É sobre isso que digo quando fomos aos poucos reduzindo ou aprisionando nossa capacidade criativa.

Ser criativo e inovador é deixar de lado o medo de errar, mas bem além disso, aceitar o diferente a começar por nossa própria forma de ver o mundo. Vale a pena refletir mais sobre inovação, compartilho mais este artigo sobre você.

Também não podemos deixar de pensar que vivemos um momento especial do mundo. Hoje, temos a tecnologia à nossa mão. Imagine que você pode agora clicar no seu smartphone e entrar em uma biblioteca do outro lado do mundo ou caminhar pelas ruas de Madri.

Pense, aliar abertura da mente, desenvolvimento humano, tecnologia e inovação são os pontos que você precisa conectar. Compartilho mais um material contigo, quero que você tenha o máximo possível de entrega e fundamentação.

A INOVAÇÃO NASCE DO SER HUMANO ELE É O CENTRO DO SEU NEGÓCIO

Valorize o capital humano, coloque a sua vida no centro, desenvolva as pessoas o tempo todo e dedique mais tempo do seu dia com suas equipes do que gerindo processos. Líderes desenvolvem pessoas, gerentes gerenciam processos.

A tecnologia é o meio, porém a inovação deve ser um dos pilares quando o ser humano é o centro. Não existe fórmula mágica, mas posso garantir até por minha experiência que apenas valorizando o ser humano você conseguirá ter uma empresa inovadora.

O artigo abaixo é um da série dos nove que estou escrevendo que tem como grande tema a provocação “Você precisa saber as 9 mudanças que comprovam que as pessoas não querem mais a sua empresa.” Estas mudanças são fundamentais para você não perder sua empresa.

Este artigo é fundamental para você compreender a importância do ser humano na inovação que tenho comentado.

Leia: OU VOCÊ ENTENDE O LADO HUMANO DA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL, OU NADA ADIANTA SUA EMPRESA EXISTIR

Se você ainda não está atento a estas mudanças, leia todos os meus artigos. Se quiser minha ajuda e suporte para tornar sua empresa mais inovadora, conte comigo! Entre em contato e marcamos um bate-papo para entendermos como posso ajudá-lo.

SOBRE O AUTOR

Benício Filho

Formado em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC-SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, pós-graduado em Vendas pelo Instituto Venda Mais, Mestrando pela Universidade Metodista de São Paulo na área de Educação e pós-graduado em Psicanálise pelo Instituto Kadmon de Psicanálise. Atualmente está em processo de conclusão do curso de bacharelado em Filosofia pela universidade Salesiana Dom Bosco.

Atua no mercado de tecnologia desde 1998. Fundador do Grupo Ravel de Tecnologia, Cofundador da Palestras & Conteúdo, sócio da Core Angels (Fundo de Investimento Internacional para Startups), sócio-fundador da Agência Incandescente, sócio-fundador do Conexão Europa e da Atlantic Hub (Empresa de Internacionalização de Negócios em Portugal).

Atua também como Mentor e Investidor Anjo de inúmeras Startups (onde possui cerca de 30 Startups em seu Portfólio). Além de participar de programas de aceleração, como SEBRAE Capital Empreendedor, SEBRAE Like a Boss, Inovativa (Governo Federal) entre outros.

Palestrando desde 2016 sobre temas, como: Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança, Empreendedorismo, Vendas, Espiritualidade e Essência. Já esteve presente em mais de 230 eventos (número atualizado em dezembro de 2020). É conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul), bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” e em dezembro de 2020 “Do Caos ao Recomeço”.

Construir conhecimento só é possível quando colocamos o aprendizado em prática. O mundo está cansado de teorias que não melhoram a vida das pessoas. Meus artigos são fruto do que vivo, prático e construo.

Share This